Recebemos há pouco esta carta:

“Tudo bem?
Estou acompanhando seu engajamento na questão do banimento da vaquejada, mas, infelizmente não posso me manifestar da maneira como gostaria no face pois conheço muita gente do meio e vou acabar perdendo amigos de quem eu gosto muito.
Entretanto, queria ajudar com uma informação. Tenho visto recentemente a comunidade pró vaquejada argumentando com fotos comparando o gado de vaquejada com o gado magro do sertão. 
Pois bem, deixe eu lhe dizer uma coisa: NÃO EXISTE GADO DE VAQUEJADA BEM TRATADO E GORDO. O GADO UTILIZADO NAS VAQUEJADAS EH GADO DE CORTE!
Explico: o boi que participa da vaquejada acaba por entender a sistemática da coisa com o tempo. Ele sabe que será derrubado, que sentirá dor e pavor. Então, depois de algumas corridas, o gado APRENDE a não correr. Ele simplesmente não corre do cavalo, ou se “escora” na cerca, tornando assim difícil a puxada. Esse gado é o chamado gado “viciado” na linguagem dos vaqueiros, razão pela qual ele não pode ser utilizado em muitas corridas. Na pratica, o boi corre 2,3 vezes e “aprende”.
O gado de vaquejada tem sim que ser gordo, pois as diversas fazes do torneio vão aumentando gradativamente a dificuldade (peso do boi) para o cavalo puxador. 
Só que esse gado não é criado e nem alimentado pra isso, como os caras querem fazer parecer. Esse gado é alugado de criadores de corte, é cedido para um torneiro e depois segue pro abate. 
Não existem raças de vaquejada e nem bois criados como paxás para serem derrubados. Existem animais de corte que são engordados para esse fim, e são alugados para as vaquejadas.
A vaquejada não é meio de sustento de boi nenhum. Quem sustenta é a indústria da carne.
No rodeios, igualmente monstruosos a meu ver, os bois são sim profissionais do rodeio, são criados e treinados pra isso. Ganham fama, nome e quando “aposentam” viram reprodutores para passar sua técnica adiante.
Na vaquejada nunca se falou no boi “malvado” que ninguém consegue derrubar. Esse boi não existe. Todos os bois aprendem com o tempo e impedem a derrubada se recusando a correr ou indo pra cerca (alguns de primeira viagem já buscam a cerca, mas não tem a técnica de escape).
Assim sendo, eu te peço que repasse esse texto, de minha autoria, sem me identificar (confio em você), para que essa informação chegue nas pessoas certas e acabe com essa hipocrisia mentirosa de que gado de vaquejada é bem tratado. Não existe gado de vaquejada. Existe gado de corte alugado pra vaquejada. 
Qualquer dúvida me liga ou escreve. 
Ainda nem comecei a falar do sofrimento dos cavalos, que, bem da verdade já diminuiu muito mas ainda existe.”

Facebook